Seguidores da Pimentinha Brasileira:

domingo, 28 de outubro de 2012

Cotas raciais



Por Yvonne Maggie*

Cotas raciais, em minha opinião, são ilegítimas. A Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial é uma instituição que desequilibra os princípios democráticos por entronizar a “raça”, quando a única maneira de enfrentar o racismo e combatê-lo é destruir a própria ideia de “raça”. Continuo advogando que o país é feito de cidadãos com direitos universais sem distinção de “raça”, credo, condição social e demais atributos especificados na Constituição de 1988.

 Em 2012 o STF decidiu, por unanimidade, a constitucionalidade das cotas raciais. Depois desta resolução, abriu-se a porta para que o país instituísse a “raça” como critério de distribuição de justiça.

 O Congresso Nacional aprovou o Estatuto da Igualdade Racial, com a aquiescência de todos os partidos. Este, ao lado da decisão do STF, foi o passo mais radical no sentido de mudar o estatuto legal da nação. Determinaram-se aí cotas raciais em todas as esferas da vida dos cidadãos, que agora são definidos por sua “raça” com direitos diferenciados. Não somos mais brasileiros, legalmente somos negros, brancos ou indígenas.

 Seguindo os ditames do Estatuto Racial, além da obrigatoriedade das cotas no ensino superior para egressos de escolas públicas com renda inferior a um salário mínimo e meio per capita e para pretos, pardos e indígenas, o governo anuncia que instituirá cotas raciais no serviço público federal, inclusive em cargos comissionados.

 Quer, ainda, obrigar empresas privadas a adotarem essa política. É absolutamente transparente a intenção de afastar-se dos consagrados princípios universais que regulam a vida das nações.

 Se já é triste ver o país caminhar para a racialização das políticas para o ensino superior, mais triste ainda será ver o povo brasileiro ter de lutar por vagas no mercado de trabalho segundo esse critério.

 Em nome da luta contra o racismo, estão produzindo uma política de alto risco porque, historicamente, todas as vezes que um Estado legislou com base na “raça”, as consequências foram funestas.

 O mais estranho de tudo é saber que os EUA -que em muito influenciaram as políticas raciais aqui adotadas- se afastam cada vez mais da preferência racial na adoção de políticas públicas e enfatizam o critério social ou de classe.

 Como noticiou o “The New York Times” do dia 13 de outubro, os juízes da Corte Suprema americana estão repensando a constitucionalidade das ações afirmativas.

  No caso da estudante Abigail Fisher, que alega ter sido prejudicada no acesso a uma vaga na Universidade do Texas por ser branca, o argumento de seus opositores não é mais a justiça -ou seja, o tratamento desigual para aqueles que tiveram seus direitos negados por tanto tempo (os afro-americanos), pedra fundamental da política de ação afirmativa nos EUA. Passados quase 50 anos da instituição das ações afirmativas, a alegação passou a ser a necessidade de intensificar a diversidade nas salas de aula.

  Porém, segundo os juízes da Corte Suprema, a verdade é que as ações afirmativas beneficiaram os mais ricos entre os afro-americanos, em detrimento dos pobres tanto brancos quanto negros. Para os juízes, elas contribuíram para o aprofundamento da separação entre os grupos de diferentes “raças”, legalmente definidos em função delas.

  Por isso, a Suprema Corte americana caminha para adotar critérios de classe no combate às injustiças, e não critérios raciais.

  O Brasil, cego ao debate internacional, marcha célere no sentido inverso, criando leis que dividem os brasileiros. Leis que, em vez de erigir pontes e aproximar as pessoas, trazem no seu bojo o ovo da serpente da discórdia, da luta entre aqueles que se pensavam iguais.

Daqui.

*Professora titular do Departamento de Antropologia Cultural do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais da UFRJ. Autora dos livros "Guerra de orixá", editado pela Zahar e "Medo do feitiço", publicado pelo Arquivo Nacional. Coautora dos livros "Raça como retórica" e "Divisões perigosas", ambos pela Civilização Brasileira. Agraciada em 2008 com a Comenda da Ordem Nacional do Mérito Científico do Governo do Brasil. Pesquisadora do CNPq e bolsista Cientista do Nosso Estado pela Faperj.



4 comentários:

LUCONI disse...

Amiga assino embaixo, discordo totalmente das cotas, se existirem deve ser para quem tem renda baixa e não pela cor da pele, hoje em dia sabemos que em condições precárias de vida existem tanto negros como brancos, ter cotas para negros é chamar a raça negra de burros e isto eu não admito e acho que eles também não deveriam admitir, são tão capazes quando qualquer branco, beijos Luconi

Marineide Dan disse...

Eu sempre discordei,isto é coisa da pseudo esquerda, que visa única e tão somente se perpetuar no poder. Finge que defende a minoria, os pobres, etc... Tudo história para boi dormir!

Beijos

Tunin disse...

Sou totalmente contra as cotas. Em lugar de facilitar a entrada de estudantes vindos do ensino público às Faculdades públicas, o governo poderia era melhorar aquele ensino, igualando-o às escolas particulares.O que se vê hoje é um bando de analfabeto(proveniente do ensino público)povoando as universidades por esse Brasil afora.
Enquanto houver desejo de perpetuação no poder, coisas desses gêneros serão leis.
Muito bom o artigo.
Abração.

Anne Lieri disse...

Soninha,está tudo errado nesse país!Basta investir numa educação publica de qualidade e nem precisaríamos de cotas!E precisam construir mais Universidades tb!É uma vergonha esse tal de vestibular!Minha filha já está vesga de tanto estudar!bjs e meu carinho,

Evite as drogas!

Evite as drogas!
Não fume!!!

Ajude a divulgar: os animais agradecem!

create your own banner at mybannermaker.com!

Clique na imagem e...

Conheça meu blog divulgador!